Vestidas de rosa e com bastões na mão, indianas criam grupo de autodefesa contra machismo

Entre o Taj Mahal e a cidade de Varanasi, o histórico de mulheres agredidas e humilhadas passa de milhões. E além de violadas são obrigadas pelo estado hindu de Uttar Pradesh a permanecerem caladas.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Para ter ideia, na cidade 38% das mulheres sofreram algum tipo de abuso físico ou sexual, de acordo com a Terceira Pesquisa Nacional Sobre Saúde Doméstica, de 2006.

Há 30 anos, Phoolan Dev, uma mulher de baixa casta, resolveu se vingar de seus estupradores e assim tornou-se a “rainha dos bandidos”. Isso a tornou conhecida e anos depois se tornaria Deputada. Mas, durante seu mandato em plena democracia, foi morta a tiros.

Isso que Phoolan viveu bastante se considerar todas as meninas que morrem “acidentalmente” queimadas, afogadas ou golpeadas logo que nascem.

Porém, em 1980, Sampat Pal Devi aos 16 anos resolver vingar o marido abusivo de uma conhecida e, após reunir um grupo de mulheres, bateram no homem. Esse acontecimento foi o começo de um movimento que inspira mulheres em todo o mundo.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Hoje, aos 51 anos, Sampat comanda o Gulabi Gang (Gangue de Rosa), um grupo com pouco mais de 270 mil mulheres vestidas com saris rosas e armadas com lathis (bastões de madeira de um metro e meio de largura).

O principal objetivo do grupo é mediar conflitos domésticos, arrumando casamentos, denunciando a corrupção de burocratas e, se necessário, usando lathis para revidar abusos.

“Normalmente prefiro usar a razão”, afirma Sampat. “É melhor convencê-los a fazer o correto. Quase nunca tivemos de chegar a usar a violência”.

Uma curiosidade é que o rosa não tem a ver com a questão feminina. “Queríamos ter algo que não tivesse relação com os partidos [políticos] e nenhum usa rosa. Por isso escolhemos essa cor”, explica Pal Devi.

Além da autodefesa, em 2010, elas utilizaram as doações e criaram uma escola para os filhos das castas mais baixas e os povos indígenas do país. “As mulheres das comunidades têm de estudar e se tornar independentes para decidir suas vidas”, disse ao The Guardian.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Outra de suas lutas é para acabar com casamentos infantis. Para isso, capacitam jovens a usarem máquinas de costura.  também ensinam a fazer pratos feitos com folhas de árvore, que são bastante populares em festas e bodas, e hoje fornecem trabalho para mais de 200 mulheres diariamente.

Mas a fama trouxe acusações e ela chegou a ser destituída de sua posição. “As acusações contra mim não têm fundamento e eu responderei a elas… Tenho sido uma lutadora e vou superar isso também”, Sampat declarou à imprensa.

Mas após meses foi restituída. E assim, mais uma nova estapa no grupo começou, agora com núcleos em várias cidades. “A missão da gangue é erradicar os males sociais e questionar o sistema de castas, dar poder às mulheres e lutar pelos direitos dos pobres”, explica.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

gulabi

SampatPalDeviarchivopersonal02

UTTAR PRADESH, INDIA - 2011/12/10: Members of Gulabi Gang put their newly learned skills into actions. The Gulabi gang, or "the pink gang" as in direct translation from Hindi, is a group of women who basically take justice in their own hands. Out of desperation in the government officials' incompetency in dealing with abusive and domestic violence, Sampat Pal Devi forms the Gulabi Gang. Its main purpose is to help promote better living conditions for women around India. After being in operation for more than half a decade, the Gulabi Gang is reported to have more than 20,000 members and has saved thousands of women's lives across the country.. (Photo by Jonas Gratzer/LightRocket via Getty Images)

gulabi_gang Gulabi-Gang-protest-photo-by-Torstein-Grude maxresdefault

Fonte: OperaMundi / Fotos: Divulgação

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
2,829,971SeguidoresSeguir
24,599SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Alunos organizam ‘missão’ contra bullying em escola de Curitiba (PR)

Alunos do 9º ano da Escola Atuação, no bairro Santa Quitéria, em Curitiba (PR), lançaram a “Brigada do Bullying”: um projeto que visa orientar...

Projeto ‘De Braços Abertos’ reduz uso de crack em 65% na Cracolândia em SP

E se te dissessem quem com uma iniciativa simples seria possível reduzir mais da metade os usuários de crack em um grupo? É exatamente o que...

Vaquinha para reerguer asilo destruído por enchente onde vivem 34 idosos

A Casa de Idosos Giuseppe Aras ficou debaixo d’água depois que um temporal caiu em Itabela (BA) na manhã do dia 9 de abril. A...

Agora é crime: homofobia e transfobia podem dar até 5 anos de prisão

A decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) enquadra declarações homofóbicas e transfóbicas no crime de racismo.

Técnico de enfermagem que dormia no terraço usa dinheiro de vaquinha para ajudar outras pessoas

Essa história do bem não para de nos surpreender e encher de orgulho. Joseildo Silva é um técnico de enfermagem que estava dormindo no...

Instagram

Vestidas de rosa e com bastões na mão, indianas criam grupo de autodefesa contra machismo 2