Você também compartilhou o vídeo do “falso cadeirante”? Devia ter se informado primeiro

Pois é, infelizmente temos a mania de compartilhar tudo sem checar a legitimidade das informações antes. Circulou na internet semana passada o vídeo do atleta paralímpico João Paulo Nascimento, que estava conduzindo a tocha olímpica usando cadeira de rodas, se desequilibrou, e se apoiou com a perna no asfalto. Se não viu, assista:

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Muitas pessoas se sentiram “traídas”, enganadas por ele. Elas erraram. Deveriam procurar saber qual é a limitação física de João antes de julgá-lo. Uma simples pesquisa no Google esclareceria tudo…

Disseram o de sempre, que aqui “no Brasil é assim mesmo, todo mundo engana todo mundo”, “que aqui é o país do oba-oba”, enfim. Mas, em meio à tanta intolerância, temos sempre luzes de lucidez, como da Patrícia Côrtez, que é cadeirante também, e esclarece rapidamente um pouco do acontecido e deixa um recado muito claro para quem ainda se pensa que deficiente físico é sempre um “vegetal” e “coitadinho”:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=1108644119199515&set=a.167181176679152.45809.100001618137448&type=3&theater

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Sobre o atleta João Paulo Nascimento

Durante o percurso da tocha, João se desequilibrou da cadeira de rodas, ficou com pé preso e caiu no chão. Para que a queda não fosse maior, no reflexo, o atleta apoiou a perna no asfalto. Mas como isso é possível? João não perdeu o movimento das pernas, e ele nem usa carreira de rodas o dia todo.

Esclarecemos: o atleta tem “Geno Valgo”, conhecida como a doença do joelho em “X”. As pernas de João ficam alinhadas e os joelho se aproximam, deixando os pés afastados, o que dificulta seu andar.

“Ouvi cada baboseira, que pelo amor de Deus. Vamos esclarecer. Eu sou deficiente físico. É uma cadeira para lesão leve, um problema no joelho, como o meu. Então, sim, eu fico em pé, não uso a cadeira todo dia, não uso no meu dia a dia”, disse João em entrevista para o G1. Ele vai representar o país nas Paralimpíadas do Rio 2016.

Por isso meus amigos, por favor, não saiam compartilhando coisas sem saber a história completa. Espero que a lição tenha sido aprendida.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Leia também: Menino de 8 anos surpreende ao terminar prova de triatlo levando irmão deficiente

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,272,726SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Garotos reagem do jeito mais lindo possível a um pedido absurdo: bater numa menina

Experimentos sociais podem ser divertidos, intrigantes, interessantes e na maioria das vezes, polêmicos, mas acredito que nem todos tem uma proposta coesa, e talvez...

Como uma tatuagem foi capaz de mudar a minha vida

Um resgate da autoestima após a difícil luta contra o câncer de mama.

Noiva traz casamento para instituição de Alzheimer para que sua mãe pudesse participar

Mas Julia, 30, queria sua mãe no seu grande dia, mesmo Linda não lembrando dela.

Morador da Rocinha oferece cafezinho aos motoristas para que deem carona ao filho até a escola

"Quando você mora na favela, muitas coisas podem te impedir de chegar na escola. Que a falta de transporte não seja uma delas".

Paciente se cura da Covid-19 e encontra doadora de plasma. “Agora somos irmãs de sangue”

Kris Klug e Unique Edwards não são parentes e nem amigas de longos anos. Mas foi uma doação de plasma que fez as duas...

Instagram

Você também compartilhou o vídeo do "falso cadeirante"? Devia ter se informado primeiro 2