Você também compartilhou o vídeo do “falso cadeirante”? Devia ter se informado primeiro

Pois é, infelizmente temos a mania de compartilhar tudo sem checar a legitimidade das informações antes. Circulou na internet semana passada o vídeo do atleta paralímpico João Paulo Nascimento, que estava conduzindo a tocha olímpica usando cadeira de rodas, se desequilibrou, e se apoiou com a perna no asfalto. Se não viu, assista:

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Muitas pessoas se sentiram “traídas”, enganadas por ele. Elas erraram. Deveriam procurar saber qual é a limitação física de João antes de julgá-lo. Uma simples pesquisa no Google esclareceria tudo…

Disseram o de sempre, que aqui “no Brasil é assim mesmo, todo mundo engana todo mundo”, “que aqui é o país do oba-oba”, enfim. Mas, em meio à tanta intolerância, temos sempre luzes de lucidez, como da Patrícia Côrtez, que é cadeirante também, e esclarece rapidamente um pouco do acontecido e deixa um recado muito claro para quem ainda se pensa que deficiente físico é sempre um “vegetal” e “coitadinho”:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=1108644119199515&set=a.167181176679152.45809.100001618137448&type=3&theater

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Sobre o atleta João Paulo Nascimento

Durante o percurso da tocha, João se desequilibrou da cadeira de rodas, ficou com pé preso e caiu no chão. Para que a queda não fosse maior, no reflexo, o atleta apoiou a perna no asfalto. Mas como isso é possível? João não perdeu o movimento das pernas, e ele nem usa carreira de rodas o dia todo.

Esclarecemos: o atleta tem “Geno Valgo”, conhecida como a doença do joelho em “X”. As pernas de João ficam alinhadas e os joelho se aproximam, deixando os pés afastados, o que dificulta seu andar.

“Ouvi cada baboseira, que pelo amor de Deus. Vamos esclarecer. Eu sou deficiente físico. É uma cadeira para lesão leve, um problema no joelho, como o meu. Então, sim, eu fico em pé, não uso a cadeira todo dia, não uso no meu dia a dia”, disse João em entrevista para o G1. Ele vai representar o país nas Paralimpíadas do Rio 2016.

Por isso meus amigos, por favor, não saiam compartilhando coisas sem saber a história completa. Espero que a lição tenha sido aprendida.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Leia também: Menino de 8 anos surpreende ao terminar prova de triatlo levando irmão deficiente

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
4,238,290SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Projeto de agente penitenciário transforma a vida de filhos de detentos com o basquete

É na quadra que um agente penitenciário e ex-jogador transforma a vida de filhos de pais que estão na cadeia, assim surgiu o Adote...

Conheça a primeira transexual registrada em um time feminino de vôlei no Brasil

Uma grande vitória contra o preconceito, no país que mais mata transexuais no mundo!

Renner lança coleção feita com algodão agroecológico plantado por comunidades indígenas e quilombolas

Com o objetivo de gerar um menor impacto ambiental e, ainda de quebra, valorizar a produção nacional, a Renner acaba de lançar uma coleção...

Gato enfermeiro que não consegue caminhar ajuda a salvar vidas de animais feridos e doentes

O nome pode assustar, “Lúcifer”, mas quando conhecemos o trabalho que esse felino de pelos negros faz na clínica onde vive, nosso coração se...

Faculdade troca taxa de inscrição do vestibular por 1 kg de alimento não perecível

Os estudantes poderão fazer sua inscrição de graça doando 1 kg de alimento não perecível, até o dia 11 de dezembro.

Instagram