Você também compartilhou o vídeo do “falso cadeirante”? Devia ter se informado primeiro

Pois é, infelizmente temos a mania de compartilhar tudo sem checar a legitimidade das informações antes. Circulou na internet semana passada o vídeo do atleta paralímpico João Paulo Nascimento, que estava conduzindo a tocha olímpica usando cadeira de rodas, se desequilibrou, e se apoiou com a perna no asfalto. Se não viu, assista:

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Muitas pessoas se sentiram “traídas”, enganadas por ele. Elas erraram. Deveriam procurar saber qual é a limitação física de João antes de julgá-lo. Uma simples pesquisa no Google esclareceria tudo…

Disseram o de sempre, que aqui “no Brasil é assim mesmo, todo mundo engana todo mundo”, “que aqui é o país do oba-oba”, enfim. Mas, em meio à tanta intolerância, temos sempre luzes de lucidez, como da Patrícia Côrtez, que é cadeirante também, e esclarece rapidamente um pouco do acontecido e deixa um recado muito claro para quem ainda se pensa que deficiente físico é sempre um “vegetal” e “coitadinho”:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=1108644119199515&set=a.167181176679152.45809.100001618137448&type=3&theater

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Sobre o atleta João Paulo Nascimento

Durante o percurso da tocha, João se desequilibrou da cadeira de rodas, ficou com pé preso e caiu no chão. Para que a queda não fosse maior, no reflexo, o atleta apoiou a perna no asfalto. Mas como isso é possível? João não perdeu o movimento das pernas, e ele nem usa carreira de rodas o dia todo.

Esclarecemos: o atleta tem “Geno Valgo”, conhecida como a doença do joelho em “X”. As pernas de João ficam alinhadas e os joelho se aproximam, deixando os pés afastados, o que dificulta seu andar.

“Ouvi cada baboseira, que pelo amor de Deus. Vamos esclarecer. Eu sou deficiente físico. É uma cadeira para lesão leve, um problema no joelho, como o meu. Então, sim, eu fico em pé, não uso a cadeira todo dia, não uso no meu dia a dia”, disse João em entrevista para o G1. Ele vai representar o país nas Paralimpíadas do Rio 2016.

Por isso meus amigos, por favor, não saiam compartilhando coisas sem saber a história completa. Espero que a lição tenha sido aprendida.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Leia também: Menino de 8 anos surpreende ao terminar prova de triatlo levando irmão deficiente

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,505,556SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

10 Dicas de como reduzir a quantidade de lixo no seu banheiro

Você já reparou a quantidade de lixo que geramos em nosso dia a dia? E se guardássemos todo o lixo que geramos em nossa...

Impedida de estudar na infância, dona Duzinha aprende a ler e escrever aos 104 anos

Dona Duzinha dos Reis, de 104 anos, começou a estudar recentemente para realizar seu maior sonho: poder ler a Bíblia. Para isso, ela participa de...

Brasileiro cria versão de “O Rei Leão” com animais da Amazônia

O ilustrador Vilmar Rossi criou ilustrações inspiradas em "O Rei Leão", só que com uma diferença: os animais não são da savana africana, mas da fauna brasileira.

De graça, barbeiro dos EUA corta barba e cabelo de moradores de rua

Existem inúmeras formas de ajudar os mais necessitados e uma delas é oferecer, gratuitamente, serviços que costumamos vender em nossa profissão. O barbeiro Jason...

Taxista ganha carro personalizado como agradecimento por ajudar pessoas em emergências

O indiano Vijay Thakur, de 75 anos, desistiu da sua carreira de engenheiro para ajudar pessoas que precisam chegar ao hospital a qualquer hora...

Instagram