Voluntária em abrigo de Sacramento (MG) adota 2 crianças e 3 adolescentes

A adoção está presente na vida da Raquel Gomes, 41 anos, desde que ela era muito jovem. A estilista tinha apenas 19 anos quando tentou adotar uma garotinha de 3 anos, retirada dos pais por ordem da Justiça.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Passaram-se os anos e Raquel se casou com o Marcos. Ela sonhava ser mãe, mas não conseguia engravidar por conta de um problema no útero, mesmo após realizar um tratamento. O casal então começou a pensar na adoção.

Leia também:  Juíza prioriza processos de adoção “para não deixar nenhuma criança sem lar”

Enquanto amadureciam a ideia, um acidente fatal tirou a vida dos pais da afilhada do casal, Thaísa. A menina foi morar com Raquel e Marcos. “Todas as noites, durante muito tempo, levávamos nosso colchão para o quarto dela. A gente rezava, chorava, se abraça e tentava não substituir seus pais, mas, sim, ser como pais para ela”, contou Raquel ao Razões para Acreditar.

Raquel já se sentia mãe, porém ela e Marcos queriam ter mais filhos. O casal entrou no Cadastro Nacional de Adoção (CNA) e adotou o José Eder, com 5 anos na época. O garoto morou por dois anos no abrigo onde Raquel fazia trabalho voluntário, em Sacramento (MG).

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Junto com outros voluntários do abrigo, Raquel fazia almoços, cafés da tarde e até festas de 15 anos para as adolescentes. Nesses encontros Raquel ficou muito próxima da Karielly, da Kauany e do Vitor. José Éder já era muito amigo de Vitor e queria bastante que Raquel e Marcos o adotassem. O casal decidiu adotar não só Vitor, mas também Karielly e Kauany.

Leia também:  Mãe biológica enxuga lágrima de mãe adotiva após fim do processo de adoção

“Abrimos nosso cadastro pra mais uma adoção. Recebemos ligações de várias comarcas, mas nosso coração não conseguia decidir. Até que resolvemos ir ao fórum saber a situação do trio, e o promotor disse que eles estavam prontos para a adoção. Foram os dias mais sofridos entre a entrega do pedido de guarda e a vinda pra casa. Valeu muito a pena!”

voluntária abrigo adoção crianças adolescentes
Jacqueline (18), Thaísa (28), Kauany (13), Kariely (16), José Eder (7), Raquel, Marcos e Vitor (11)

Um tempo depois, vinda do mesmo abrigo, chegou a quinta filha do casal, Jacqueline, já com 18 anos. Raquel e Marcos se sentem completos com os cinco filhos. “Hoje, levamos uma vida corrida, muitas crianças, trabalho, escola, educação, lazer, cuidar da saúde física e psicológica de cada um deles, acolher os sentimentos, amenizar as dores e amar incondicionalmente!”

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

voluntária abrigo adoção crianças adolescentes voluntária abrigo adoção crianças adolescentes

A família não vive com luxo, mas tem o essencial para viver em um lar de amor e respeito, afirma Raquel. E ela finaliza: “A maternidade através da adoção me fez a mãe mais feliz do mundo”.

Orientação para famílias que querem adotar

Raquel e Marcos ajudaram a fundar em Sacramento um grupo que oferece orientações a famílias que desejam adotar: o “Caminhos do Coração, Apoio à Adoção”. A ideia é justamente tirar dúvidas e apontar os caminhos para essas famílias terem seus filhos através da adoção. Quem quiser saber mais pode visitar a página do projeto no Facebook. Na sua cidade existe alguma iniciativa parecida?

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

voluntária abrigo adoção crianças adolescentescrédito das fotos: Arquivo da família

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,293,090SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Delegados oferecem cursinho preparatório para carreira policial em São Paulo para quem não pode pagar

A bolsa de estudo inclui material e acompanhamento individualizado durante 6 meses.

Brasileiro cria vaquinha para ajudar amigo refugiado a tirar família do Sudão do Sul

Há três meses, o brasileiro vem recebendo mensagens com pedidos de socorro do africano que deixou o Sudão do Sul para se refugiar em Uganda: “Ele só tem a mim para ajudá-lo”.

Pais fazem mini-videolocadora para alegrar filho autista

Depois que o jovem ficou devastado com o fechamento de uma videolocadora.

Escola indiana pede aos pais para plantar árvores em vez de pagar mensalidades

A medida ajuda a diminuir a evasão escolar e, de quebra, melhora a qualidade do ar.

Transexuais serão amparadas pela Lei Maria da Penha

A normas previstas na Lei Maria da Penha, que protege a mulher da violência doméstica, valerão para transexuais que sofrerem agressões de um ex-companheiro. A...

Instagram

Voluntária em abrigo de Sacramento (MG) adota 2 crianças e 3 adolescentes 1