Vovó de 85 anos realiza sonho de aprender a ler e a escrever com ajuda de neto professor

Clique e ouça:

Uma vovó aposentada de 85 anos enxergou no isolamento social uma oportunidade para realizar seu sonho: aprender a ler e a escrever.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A aposentada Alcina Bispo morava no interior do Tocantins quando decidiu se mudar para a casa do neto, Ricardo Pereira, 31, em Goiânia (GO), há cerca de um ano.

Com a quarentena, precisou repensar sua rotina, agora exclusiva em casa. Dedicada que só ela, pediu ajuda à Ricardo, que é professor de língua portuguesa, para ser alfabetizada.

vovó aprende ler e escrever com neto quarentena
Vovó Alcina. Foto: Reprodução/TV Anhanguera

Ajude asilo que foi alagado se reerguer para abrigar os mais de 30 idosos. Clique aqui e contribua!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Há anos ele também desejava ensiná-la a ler e a escrever. Para o professor, o isolamento social causado pela pandemia da Covid-19 criou a oportunidade perfeita.

“Alfabetizar a minha avó já era um sonho antigo, tanto meu quanto dela. Infelizmente, não foi possível antes, mas, com a quarentena, eu tive a oportunidade de colocar esse projeto em prática”, afirmou.

“Acho que é uma forma de retribuir um pouco de tudo o que ela me ensinou” , completou o professor.

A família inteira nasceu e cresceu no Tocantins, mas Ricardo mudou-se para Goiânia na adolescência, aos 16 anos.

Vovó e neto viveram em estados diferentes até o ano passado,  quando Alcina se mudou para a capital goiana para cuidar de doenças que sugiram com o avançar da idade.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Ricardo conta que era um desejo antigo seu poder alfabetizar a avó, mas a ideia ficara adormecida por conta da distância. “Há uns 15 dias eu a vi um pouco ociosa e, nesse momento, caiu a ficha. É agora a hora de realizar o sonho”, disse.

O professor de língua portuguesa dava aulas para pessoas que buscam passar em concursos. Logo, para ensinar a vovó ele precisou estudar novamente algumas técnicas de alfabetização.

De acordo com ele, após mais ou menos 10 dias de aula, Alcina já reconhecia facilmente as vogais e já faz associações.

“Tem sido engraçado e é um desafio. Ela teve dificuldade nos primeiros dias, mas tem se saído muito bem”, avaliou o professor.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

vovó aprende ler e escrever com neto quarentena
Foto: Arquivo pessoal

O Razões tem seu próprio podcast para espalhar boas notícias, ouça os episódios na sua plataforma favorita clicando aqui.

A Dona Alcina é uma guerreira moldada pela vida: ficou órfã aos 9 anos, casou-se com 15 e criou nada mais, nada menos do que 15 filhos. Dedicou-se integralmente à família e nunca teve a chance de estudar – apesar de sempre querer aprender.

“Eu tenho muita vontade de fazer meu nome, mas nunca tive a oportunidade. Cada tempo é tempo. Estou viva, e Deus vai me ajudar e vai dar tudo certo”, disse.

Dedicada que só ela, a idosa estuda todos os dias por cerca de 30 minutos com o neto. Depois, estuda as letras para formar novas palavras e treina o reconhecimento delas por meio da repetição.

“Depois, ela fica com as letras impressas. Toda hora vamos relembrando. Às vezes, chego na sala e ela está estudando”, disse Ricardo.

vovó aprende ler e escrever com neto quarentena
Vovó de 85 anos aprendeu a ler e a escrever ao lado do neto. Foto: Reprodução/TV Anhanguera

Participe do nosso canal no Telegram e receba todas as matérias e novidades do Razões, clique aqui.

Ricardo diz que ajudar sua vó a ler e a escrever é uma maneira de agradecê-la por tudo que ela fez por ele. Em meio a uma reflexão, ele até escreveu uma cartinha de agradecimento para Dona Alcina… Confira abaixo:

Ela me ensinou muita coisa do que sei, me ensinou o que significa aceitação, desde o dia em que mamãe, solteira, chegou à nossa casa, comigo nos braços.

Ela me ensinou que plantar e colher são verbos recorrentes na vida, e que o principal não é plantar, mas o modo como se planta.

Ela me ensinou a ler o tempo com a ajuda dos pássaros, me ensinou a diferenciar queijo de requeijão, abacaxi de ananás, e que Maria Isabel é a melhor comida do mundo! Ou seria o picadinho de mandioca? Talvez, o “Mucunzá” com abóbora madura e pimenta?

Ela me ensinou que leite com manga faz mal. (Isso eu descobri com a vida que era mentira! Pelo menos, para a gente, porque, apesar de experimentos científicos, ela ainda jura que é verdade! “Fulana morreu disso!”).

E me ensinou a separar gente boa de gente má. E que não se deve comer carne na Sexta-Feira da Paixão, e que honestidade é uma qualidade indispensável ao homem, diz com retidão, mesmo um pouco corcunda, por causa da idade.

Ela me ensinou que “companheirismo” é um substantivo importantíssimo nas relações, por mais que não fizesse ideia de a que raios de classe aquela palavra linda pertencia. Pertencia a ela! Assim como outras tantas palavras que ela usava para me contar as coisas da vida: sua infância sem os pais, a criação pela madrinha má, o casamento aos 15 anos, os 15 filhos que teve.

Cenas de alegria e de aprendizado e de uma vida amando o meu avô. Com ela, eu aprendi que a morte não põe fim no amor, dá pra ver a saudade escorrendo pelos seus olhos sempre que se lembra dele.

Ela me ensinou tanta coisa, que eu levaria horas para listar tanta vivência. Me ensinou a cozinhar, passar café, agir conforme os princípios éticos.

Ela me ensinou a imaginar! Eu adorava me jogar em seu colo e ficar imaginando como eram os bichos e as lendas que habitavam as florestas que ela frequentava. Confesso que imaginava, pela sua narração, a sucuri um bicho muito mais imponente, como as Anacondas dos filmes. Não era. Também não faz mal. As serpentes e os espíritos das suas histórias eram mais legais. Ela me ensinou a ler o mundo, de uma forma sofrida e encantada.

Acho que chegou a minha vez de ensinar o mesmo a ela, só que agora com letrinhas.

Canal Coronavírus: veja boas notícias, vagas home-office e como ajudar pequenos negócios clicando aqui.

Compartilhe o post com seus amigos!

Fonte: G1

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,026,080FãsCurtir
2,191,217SeguidoresSeguir
11,926SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Brasileira voluntária da 2ª Guerra Mundial é hoje voluntária na luta contra o Coronavírus

A dona Blandina era adolescente quando confeccionou luvas para os soldados brasileiros da FEB (Força Expedicionária Brasileira) que lutaram na 2ª Guerra Mundial. Lá se...

Jovens antecipam casamento após saber que um deles tem apenas 5 meses de vida

Se você, assim como eu, se acabou de chorar vendo "Um amor para recordar" lá em 2002, se prepare: essa história é real, e...

Policiais unem-se a manifestantes em ato contra racismo e violência, nos EUA

É preciso tomar muito cuidado com generalizações, afinal, a profissão e a raça de uma pessoa não podem a definir. E para provar isso, diversos...

Batismo de bebê conta com bençãos de familiares católicos, espíritas, evangélicos e umbandistas

Quando completou três meses de vida, o pequeno Iago recebeu as bençãos de sua família, cada qual à sua maneira: uma avó é católica,...

Surfistas vão todos os dias à praia para salvar vidas e recebem gratidão de banhistas

Só quem já passou pelo susto de perder o controle ao nadar em um mar ou uma piscina sabe o tamanho do alívio quando...

Instagram