Vovô com Alzheimer lembra música feita por neto em sua homenagem

O jovem gaúcho Lucas Laypold, 20 anos, decidiu prestar uma homenagem ao seu avô, Daniel Casagrande, que foi diagnosticado com Alzheimer há cerca de quatro anos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Munido de um violão, uma letra chiclete e uma melodia gostosa, neto e avô viralizaram nas redes sociais com a ajuda do refrão “vê se não me esquece mais”. A letra foi escrita pelo próprio Lucas.

“Quando a gente descobriu essa doença, a minha maneira de lidar foi com a música. Pensei em fazer uma para que ele nunca se esquecesse de mim. Eu compus e cantei para ele algumas vezes. Mas ontem eu escutei o vô cantarolando o refrão na sala e não acreditei. Como ele tinha lembrado dela?”, contou o jovem, que mora em Porto Alegre (RS).

Vovô com Alzheimer decora música cantada por neto

Surpreso, Lucas perguntou ao “Vô Cabelo” – como Daniel é carinhosamente chamado – que música era aquela que ele estava cantando. O idoso respondeu com um simples: “é aquela que tu canta para mim”. Ele decidiu propor um desafio: pegou o violão, posicionou o celular e começou a cantar sua composição com o avô ao seu lado.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Eu pensei, brincando, e falei: ‘se tu tem Alzheimer e decorou a música, todo o mundo tem que saber'”, destacou.

O vídeo, compartilhado no Twitter na última quarta-feira (27), já acumula mais de 445 mil curtidas e 3,6 milhões de compartilhamentos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A música tem como refrão um doce pedido para que o “Vô Cabelo” não se esqueça de Lucas e ainda brinca com o fato de que o idoso acorda muito cedo todas as manhãs. Por fim, uma declaração de amor.

Leia tambémEstudo brasileiro aponta que folha de pitangueira pode combater Alzheimer

“É genial ele ter decorado a música, ele não lembra de muita coisa. Decorar a música foi um choque. Eu fiz a letra de coração, fiz porque precisava prestar essa homenagem. Postar na internet foi muito improviso. Não imaginava mesmo que chegaria a tantas pessoas. Não estou sabendo meio que lidar”, disse Lucas.

 

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Razões Para Acreditar (@razoesparaacreditar) em

O jovem afirma que não postou o vídeo ‘para viralizar’, de maneira que teme um pouco a exposição de Daniel. “Vô cabelo” ainda nem sabe que está famoso na internet, o neto pretende conversar com ele com calma.

Leia também: Cachorro aprende a levar dono com Alzheimer para casa todos os dias

“O que eu quero mesmo falar para quem tem que lidar com a doença é: sejam felizes com as pessoas que vocês amam. Ache graça quando ele esquecer o nome de alguma coisa. Se vocês não lembrarem dos momentos felizes, não vai ter adiantado nada. Por isso esse vídeo é tão importante para mim. A pessoa está com a doença? Então vou curtir até ela não se lembrar mais de mim. É fazer palhaçada, brincar. No fim, é dar muito amor”, disse Lucas.

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.
  • Envie sua história aqui.

Fonte: Tilt/Fotos: Arquivo pessoal

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,572,983SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Startup cria plataforma para empresas premiarem funcionários que usam bicicleta

E se as empresas participassem ativamente da mudança e incentivassem seus funcionários a andar de bicileta? É exatamente o que a startup Bike na Firma quer ajudar...

Filha realiza casamento fictício para dançar com pai com câncer terminal

Na maioria das cerimônias de casamento, o pai da noiva está presente no momento mais importante: a hora de conduzir a filha ao altar. ...

Com impressão 3D, brasileiro cria próteses infantis que resgatam a autoestima das crianças

Nascer sem ou eventualmente perder algum membro do corpo ao longo da vida é complicado para pessoas de qualquer idade. Mas sempre há uma...

Quem foi que disse que velhice é doença?

A psicóloga de idosos Raquel Ribeiro (CRP 06/73384), 35 anos, é uma voz ativa no enfrentamento dessa visão negativa da velhice. Ela acredita que os idosos têm totais condições de serem pessoas ativas: a palavra-chave é “adaptação”. O aumento da dependência e dos casos de depressão são alguns dos efeitos mais devastadores quando se associa a velhice à fragilidade.

Instagram