“WhatsApp para surdos” promete facilitar a comunicação entre todos

Já imaginou que pessoas com deficiência auditiva também precisam se comunicar? Uma dessas soluções é o Whatsapp para surdos.

Existe uma barreira comunicativa entre surdos e ouvintes. Com poucas exceções, o ouvinte interage com o ouvinte e o surdo com o surdo, o que dificulta a inclusão social da comunidade surda.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Especialistas dizem que a melhor forma de se comunicar com os surdos é através da Libras (Língua Brasileira de Sinais). Mas, nem sempre isso é possível, porque a maioria dos ouvintes desconhece a língua de sinais.

Para superar essa barreira, é importante que o ouvinte possa estabelecer a comunicação com o surdo, e vice-versa, através de outros meios. Mecanismos que favoreçam um diálogo eficaz, rápido e espontâneo.

As tecnologias da informação e comunicação podem contribuir nesse sentido. Por exemplo, o Bruno Rafael, 26 anos, que é formado em Ciência da Computação pela UFAL (Universidade Federal de Alagoas), campus Arapiraca e faz Mestrado em Informática no Campus A. C. Simões, e uma equipe de bolsistas da universidade e parceiros, como os designers do grupo Cumbuca, está desenvolvendo um aplicativo que promete facilitar a comunicação entre ouvintes e surdos.

O Falibras, que seria um “Whatsapp para surdos”, é um projeto antigo da UFAL que tem como objetivo criar um tradutor Português para a Libras por meio de animações. No final da graduação, Bruno era bolsista do projeto. Em 2013, ele propôs ao seu orientador a ideia de integrar o Falibras às redes sociais.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Na entrevista a seguir, Bruno fala sobre o que diferencia o aplicativo desenvolvido por ele e sua equipe de outros aplicativos que traduzem o Português para a Libras; em que fase está o projeto; o esforço para disponibilizar o app rapidamente e a participação que fará na XX Conferência Internacional sobre Informática na Educação, que acontece em Santiago (Chile), de 1 a 3 de dezembro.

Existem outros aplicativos com a mesma proposta do Falibras? Ele será integrado a qual rede social?

Já ouviu falar no Hand Talk? Ele também é um app que traduz o Português para a Libras. No entanto, existem algumas diferenças entre os projetos. O Falibras tem um cunho acadêmico e social. Ainda não é uma empresa. Além disso, o Hand Talk só faz a tradução, o Falibras é um tradutor completo. E o meu projeto é um messenger que traduz em tempo real o diálogo. Ele será integrado com a rede social Telegram, que é uma concorrente do WhatsApp. Isso fará com que a ferramenta não seja usada apenas por ouvintes ou surdos. Mas que possa unir as duas comunidades.

12242129_956171131124918_939038282_nO que falta terminar no projeto?

Existe muita coisa pronta. Exemplo, o tradutor, a parte de interpretação textual, está pronto. Mas, por ser algo acadêmico, todo ano muda os bolsistas, todo ano é uma forma diferente de desenvolver. Isso faz o processo se tornar lento.

A ideia é finalizá-lo no próximo ano? E como pretende disponibilizá-lo?

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Estou escrevendo a proposta de dissertação. Acho que no começo do ano eu termino o processo de desenvolvimento e começo a testar. Meu intuito é que todos possam usar de forma gratuita. Mas é praticamente impossível manter um projeto assim sem capital.

Algum surdo já usou o Falibras ou isso é só mais pra frente?

Já mostrei para alguns amigos, mas algo totalmente informal.

Como foi receber a notícia de que o seu artigo foi aceito para ser apesentado e publicado na XX Conferência Internacional sobre Informática na Educação, que acontece em Santiago (Chile), de 1 a 3 de dezembro?

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Eventos assim abrem espaço para que os pesquisadores possam enviar seus trabalhos para que sejam debatidos na conferência. Foram enviados mais ou menos 200 artigos e são selecionados 30. A parte escrita do artigo foi com o foco na educação e na exclusão social dos surdos. Eu cito as dificuldades que o surdo tem de aprender o Português e que a sua exclusão social é devido à falta de uma língua comum. Eu Mostro que o governo brasileiro compreende que a forma correta de educar o surdo é ensinando a Libras desde criança. E que os profissionais que vão encontrar um surdo quando estiverem trabalhando vão precisar da Libras para poder se comunicar com o indivíduo. A partir disso, o ouvinte precisa aprender a Libras para melhor exercer sua função, quando assim for necessário. E o surdo precisa aprender o Português por questões de sobrevivência. E não existe forma melhor de aprender uma segunda língua que não seja praticando. Nesse contexto, foi gratificante ter um trabalho aceito em uma conferência importante. Espero poder representar bem a equipe e a universidade.

12255777_956170001125031_973935436_o

Todas as imagens: Arquivo Pessoal

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,565,291SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Jornalista cria campanha para ajudar garoto a disputar torneio de karatê

A jornalista criou uma campanha para ajudar o garoto, da periferia de São Luís (MA), a disputar torneio nacional de karatê.

Coronavírus: empresas liberam canais e internet para população ficar em casa

Para incentivar seus assinantes a permanecerem em casa durante a pandemia do coronavírus (Covid-19), as operadoras de TV por assinatura anunciaram neste domingo (15),...

Câncer, literatura e amizade verdadeira

Esta é umas das histórias mais bonitas de amizade que vi em tempos. Nachu tem câncer terminal, e pode morrer até junho (calma, não é...

Neste abrigo para cães cada catíoro ganha sua própria poltrona após campanha na Internet

Quem não gosta de sentar confortavelmente em uma poltrona macia e ler um livro ou até mesmo tirar um cochilo? Mas não pense que...

Cientistas vencem Nobel de Medicina por terapia contra o câncer

O americano James P. Allison e o japonês Tasuku Honjo descobriram um tipo de terapia mais eficiente contra o câncer.

Instagram