Canal no YouTube traz histórias da comunidade LGBT com tradução em Libras

Escritor, influenciador e designer, Samuel Gomes traz na sua história a luta de seus ancestrais e da comunidade LGBT. Nascido em uma família periférica de pais evangélicos, o processo de descobrir-se homossexual fez com que ele criasse em 2016 o projeto Guardei no Armário: um livro que detalha seu processo de descoberta e entendimento com a própria fé – e que também acabou virando um canal no YouTube.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

E é em seu canal onde outros representantes de distintas minorias LGBTQIA+ compartilham suas experiências de vida. Nos vídeos, Samuel dá voz a pessoas que passaram por diferentes processos e histórias de aceitação e descoberta.

“Essas pessoas precisam ser ouvidas, porque acredito que em algum lugar terá alguém que se identificará com a história ou aprenderá com ela. Tenho ciência que uma experiência potente, como a que conto no livro, tem feito muitos pais repensarem o amor incondicional em seus filhos, os tem feito rever o mundo no qual vivem e serem agentes transformadores, levando ainda mais amor e aceitação por onde andam”, explica Samuel.

[A Ana Paula é uma mulher trans e foi acolhida pela dona de um salão de beleza, após ter sido vista comendo comida do lixo. Tatiana criou uma vaquinha online para ajudar a moradora de rua a recomeçar sua vida do zero, saiba como ajudar aqui.]

O canal já conta com três temporadas de depoimentos e histórias emocionantes, e este ano Samuel resolveu ampliar a acessibilidade dos conteúdos e passou a incluir a tradução em Libras em todos os seus vídeos. “Aprendi que 10 milhões de pessoas são surdas aqui no Brasil, e isso me assustou mais ainda quando descobri que quase nenhum canal tem tradução em Libras ou legendas”, disse.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

canal youtube lgbtqia+ traducao libras
Samuel incluiu a tradução em Libras em todos os seus vídeos para ampliar a acessibilidade dos conteúdos. Foto: Divulgação

canal youtube lgbtqia+ traducao libras
Foto: Divulgação

Inclusive, o vídeo de estreia dessa temporada contou com a participação do youtuber Léo Viturinno, um jovem gay e surdo, nascido no interior da Bahia, que contou como foi assumir para a família e amigos que era homossexual.

Leia também:

“Esse ano quero muito que o canal seja mais inclusivo, seja mais plural, tenha condições de sair do eixo São Paulo e conquiste o Brasil com sua imensidão de diversidade. Eu acredito que não só os PCDs, mas também pessoas refugiadas, povos indígenas, grupos imigrantes, todos tenham voz. E isso precisa ser contado pelas próprias pessoas. Meu canal e projeto é um pequeno recorte do retrato social do Brasil diverso dentro da comunidade LGBTQIA+”, afirma.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Dá play no vídeo e confira o bate-papo do Samuel com o Léo:

Você conhece o VOAA? VOAA significa vaquinha online com amor e afeto. E é do Razões! Se existe uma história triste, lutamos para transformar em final feliz. Acesse e nos ajude a mudar histórias.

Compartilhe o post com seus amigos!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.
  • Envie sua história aqui.

 

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,279,775SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Para reavivar as amizades, empresa cria banco onde é impossível sentar sozinho

Um grande símbolo de coletividade e amizade é o banco de uma praça. Nele sempre imaginamos amigos conversando, famílias ou idosos fazendo sua leitura...

Foto de idoso segurando filho de mãe ocupada em consultório derrete corações dos internautas

Você conhece alguém que teria a mesma ação que esse senhor teve? É apenas uma gentileza, é claro, mas não é uma gentileza qualquer....

Tutor leva cão debilitado por causa de um câncer para passear deitado em um carrinho

Maxwell colocou no carrinho um colchãozinho e um cobertor para acomodar o mascote. Os passeios são diários e deixam Maverick bastante feliz. Mesmo com o estado de saúde debilitado, ele mostra evolução – já consegue inclusive ficar sentado.

Triatleta desiste de 3º lugar e dá vitória para adversário que errou trajeto na reta final de prova

O triatleta Diego Mentriga, de 21 anos, virou notícia após uma competição em Santander, na Espanha. Ele desistiu do terceiro lugar e deu a...

Jovem cria biblioteca para proteger crianças das drogas e da prostituição

Um lugar onde crianças e adolescentes podem sonhar com um futuro longe das drogas, do alcoolismo e da prostituição.

Instagram

Canal no YouTube traz histórias da comunidade LGBT com tradução em Libras 2